Jornalismo: Estado de Emergência no Brasil, Dilma Rousseff convoca reunião de emergência para amanhã

Depois de acompanhar boa parte dos protestos do dia no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff (PT) decidiu convocar uma reunião de emergência para as 9h30 de amanhã com seus principais ministros para discutir os efeitos das manifestações por todo o Brasil.
Na reunião, Dilma irá avaliar relatos da extensão dos atos nas cidades brasileiras. A partir daí será decidida uma conduta de governo, como por exemplo medidas ao alcance do Ministério da Justiça ou até um pronunciamento oficial da presidente.

Até aqui, Dilma só fez uma referência pública aos protestos, na terça-feira, durante o lançamento da proposta do Código de Mineração. Nela, a presidente apoiava as manifestações de cunho pacífico.
Na hora em que Dilma deixava o Planalto, o Itamaraty era atacado pelos manifestantes. O palácio presidencial está protegido fortemente por policiais e militares.

CONGRESSO NACIONAL

Policiais militares que protegem o Congresso Nacional, em Brasília, arremessaram pelo menos dez bombas de gás lacrimogêneo no meio da multidão de 30 mil pessoas que participava do protesto em frente ao Legislativo. As bombas foram lançadas contra o grupo de manifestantes que agia pacificamente.
Pouco antes, um grupo mais radical lançava bombas contra os policiais. Essas bombas não provocaram ferimentos, já que elas se limitam a fazer um forte estrondo.
Com a ação da PM, a multidão se dispersou e agora começa a se concentrar em outros dois prédios públicos. Um grupo já tomou controle da ponte que liga a pista da Esplanada ao Palácio do Itamaraty. Um pequeno cordão policial tenta impedir a entrada dos manifestantes no palácio, que é a sede do Ministério das Relações Exteriores.
Do outro lado da Esplanada, um grupo se concentra em frente ao Ministério da Justiça. No gramado do Congresso, há pelo menos quatro focos de fogo, provocado por fogueiras improvisadas pelos manifestantes com a queima de cartazes.
O clima geral entre os manifestantes é de raiva contra a ação da polícia. Antes do lançamento das bombas de gás, a maioria dos manifestantes vaiava a ação dos radicais. Um grupo chegou a se sentar no chão, em protesto contra os que provocavam os policiais.

Um manifestante foi encontrado já nas dependências da Câmara. Ele está sendo assistido por quatro defensores públicos. Ele deverá prestar depoimento e será liberado.

Folha de São Paulo
Google Plus
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

Cuidado com o que você comenta,seus argumentos pode prejudicar nossa equipe e você próprio.